Sobre ser professor de dança


por Keice Granzotto Casarri

O simples prazer de dançar e a técnica, bastariam para justificar alguém como professor de dança? Eu não acredito.  Como um dia escreveu, brilhantemente, minha amiga Mônica Siegl:

Ser PROFESSOR é, possivelmente, a mais nobre das ações, pois, na maioria das vezes, é o amor sua principal motivação. O amor por uma das mais sublimes atividades: o dom em transmitir conhecimentos…”.

Ser professor de dança é muito mais do que ter eixo, girar, saltar ou mesmo ser flexível.  É muito mais do que figurinos extravagantes e muito maior do que se apresentar em espetáculos e festivais.

Ser professor de dança é ter humildade para não se achar melhor que o resto do mundo, receber críticas e compreender que também erra. É querer ser corrigido e fazer parte de um eterno aprendizado, independente da idade ou do tempo em que exerça a sua função.

Ser professor de dança é ter disposição, todos os dias, para melhorar o que julgou como um bom desempenho no dia anterior. É dedicar-se a ensinar e saber que ensinar requer mais do que treino físico. É se doar para os outros. É ter uma meta diária constante: a de transformar corpos em movimentos que encantem. É passar cada passo no compasso, mas com sentimentos. É ser pura emoção, amor e respeito pelo que ensina e por quem recebe seus ensinamentos. É tentar, incessantemente, fazer com que o outro sinta sua essência para que possa transformá-la em alegria, beleza, leveza e graça.

Durante o tempo em que sou aluna e praticante da dança social, aprendi que existem vários tipos de profissionais. Há os que são bons, e há aqueles que pensam que são bons, mas já carregam consigo toda empáfia do que ainda é só um desejo. Há os que se importam, de fato, com os alunos, e há aqueles que os veem somente como um cheque no fim do mês. Há os que não se deixam influenciar por outras pessoas, valores e novas conquistas, e há aqueles que se perdem totalmente envolto a más companhias e a uma nova realidade. É espantoso, contraditório e triste, mas às vezes alguns dos profissionais que mais contribuíram para que seu amor pela dança crescesse, mudaram tanto, que hoje você já nem os reconhece mais.

Nesse  15  de outubro, fiz questão de fazer esse post para agradecer a todos os grandes mestres da dança que tive e tenho. À vocês, meu carinho, meu respeito e muito obrigada.

Os melhores professores nem sempre são os que sobem no palco, ganham prêmios, troféus e reconhecimentos. Os professores genuínos, aqueles de coração, são os que entendem que o maior palco que se é preciso enfrentar, é o da sua própria jornada, o do seu próprio caráter, das suas próprias decisões e da sua própria vida. São professores de alma os que escolheram essa profissão, mas que acima de tudo, também foram escolhidos por ela.

Anúncios

4 Respostas

  1. Olá, tudo bem ? Queria dizer que é muito legal ter um blog que fala sobre dança de salão. Compartilho da mesma paixão pelo zouk, eu adoro kkk e queria sugerir um post para quem é professor ou professora de dança dizendo como divulgar as aulas e tudo mais. E também sobre como dar uma boa aula no início da carreira. Obrigado!

  2. Parabéns! Aproveito para estender, se me permite, sua homenagem a professora MARIA ANTONIETTA GUAYCURUS DE SOUZA (15/05/1927 a 07/04/2009 ).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: